A adolescência é uma fase muito complicada. São tantas mudanças físicas e psicológicas que pode confundir a cabeça dos jovens. Mas além disso,  existe um fantasma que ronda o universo adolescente atualmente: a depressão. Sim. A depressão não é frescura, não é preguiça, não é antipatia, como a maioria das pessoas que não se informam a respeito,  pensam. Depressão é uma doença. E adolescente tem depressão,  sim. Não menospreze o sofrimento dele. Observe seu comportamento. Alguns sinais mostram que o seu filho pode estar depressivo e precisando de ajuda.

Se ele está desanimado,  sem vontade de fazer coisas que antes ele adorava, não quer mais sair de casa, fica mais no quarto, se isola, chora com facilidade,  isso são alguns sinais de depressão.

Sei que as vezes,  nós como pais,  temos dificuldades em enxergar isso como doença e não como rebeldia ou preguiça.  Mas temos que observar com cuidado. A depressão mata. Muitos jovens cometem suicídio devido ao agravamento da doença por não procurarem tratamento adequado.

A tendência das pessoas é acreditar somente nas doenças que se podem ver. Uma ferida física está ao alcance dos olhos. Mas as feridas da depressão estão na alma. Geralmente, podem vir acompanhada de transtornos de ansiedade, fobia,  síndrome do pânico e outros problemas psicológicos que precisam e devem ser tratados.

Mas como agir numa situação dessas?

Primeiro, converse com o seu filho. Mostre que você está ali para ouvi-lo, sem críticas, sem cobranças. Só ouça o que seu filho tem a dizer.

Segundo,  leve-o ao médico. Depressão é uma doença,  e como tal, deve ser tratada. Um acompanhamento com o psicólogo pode ajudar. Mas, se for necessário uma medicação, o psicólogo não pode prescrever. Somente o psiquiatra. Por isso, eu acho melhor consultar logo um psiquiatra. E nada de achar que psiquiatra é médico de doido. Ele é médico para doenças de cunho emocional. Seu preconceito só vai prejudicar e aumentar o medo do seu filho de buscar tratamento. E nada de o tratar como incapaz. Fazê-lo se sentir um coitado, só vai prejudicar ainda mais o estado dele. Incentive-o a fazer suas tarefas, sem cobranças. Converse sobre o futuro,  sobre as metas que ele quer alcançar e apóie sempre seus sonhos e projetos. Mostre que ele é capaz e você acredita no potencial dele.

E por último,  mas não menos importante,  mostre seu amor. Sim,  dê seu amor incondicional ao seu filho. Isso vai ajudar bastante. Com certeza, você estará salvando a vida de seu filho.