Neste post vou falar sobre a minha experiência. Falar sobre os conceitos médicos sobre esse tema não é meu objetivo.

Para quem já passou pelas duas situações como eu, é possível fazer um comparativo do ponto de vista da paciente e esse será o objetivo desse artigo.

No parto normal, a dor é mesmo muito forte. Imagine uma melancia saindo de um espaço onde só cabe um limão… Parece exagero, mas não é! Não consigo comparar essa dor com nenhuma outra. A verdade é que depois que tive o parto normal, que foi o da minha primeira filha, eu fiquei bem mais resistente a dor. Porque toda vez que eu ia passar por algum procedimento que  causaria dor, eu me lembrava da dor do parto e pensava “pior que aquela dor, com certeza não é! “. E acabava encarando numa boa.

Mas ao mesmo tempo que fiquei mais resistente à dor, eu sempre tive um medo muito grande de cirurgias.  Não pela dor, a operação em si. Mas, medo da anestesia,  de não conseguir voltar do efeito dela.

Quando engravidei pela segunda vez,  fiquei com medo de ter que fazer uma cesariana. E pedia a Deus para não ter que passar por isso.

Só que aí, a gravidez se complicou,  virou de alto risco,  e a cesariana foi inevitável. Uma cesariana de emergência ao oitavo mês de gestação. Imagina o meu desespero… Já tinha medo de cirurgia e além dos riscos normais de um procedimento cirúrgico,  ainda tinha o risco de meu filho e eu perdermos a vida.

Bem… Medos à parte… A cesariana foi bem rápida. Meu bebê nasceu logo e não senti dor nenhuma. Apenas alguns movimentos que faziam enquanto o tiravam da minha barriga. O que realmente me incomodou foi a anestesia. Me senti muito mal. Meus batimentos caíram e vi a enfermeira colocar algo no meu soro e eu melhorei um pouco. Ficar imóvel na maca por horas após o parto, também não foi legal. A tremedeira que me deu enquanto passava o efeito da anestesia, foi assustadora. Mas a pior coisa que eu senti, sem dúvida alguma,  foi a dor insuportável no corte da cesariana quando a anestesia passou e eu tive que descer da cama para tomar o primeiro banho lá no hospital. A dor era tão forte que parecia que eu ia morrer.

A dor nos pontos da cesariana,  eu senti por vários dias. Ao contrário da cesariana,  no parto normal, a recuperação é bem mais rápida. No parto normal,  logo podemos caminhar sem dificuldades, e não temos o risco de uma infecção nos pontos como na cirurgia da cesariana.

Se eu continuo com medo de cirurgia?  Sim. O pós-operatório me amendrontou mais ainda. Mas se eu tivesse que fazer novamente pelo bem do meu bebê, eu faria. Graças a Deus e a cesariana de emergência, meu filho e eu estamos aqui,  sãos e salvos.

O importante é sempre optar pelo que será melhor para a mãe e o bebê.