Oi gente!  Hoje eu vou falar de um assunto que, sinceramente, não entendo porque é tão polêmico: amamentar em público.

Sério, porque uma coisa tão natural pode ser alvo de tantas críticas? Parece  que o mundo evolui para umas coisas e regride para outras. Que mal há em alimentar o seu bebê onde quer que esteja? Quem tem filhos pequenos sabe que o bebê não escolhe hora, nem lugar para mamar. O que realmente manda na hora é a fome que ele está sentindo.

Ah, mas sempre haverá alguém que se encherá de razão para sugerir que você amamente seu filho em outro lugar, e (pasmem) sugerem até mesmo no banheiro. Queria ver se fosse ele(a), que tivesse que almoçar ao odor de um vaso sanitário…

Tem outros palpiteiros que sugerem colocar um pano no rosto da criança e sobre o seio para que ele possa ser alimentado. Queria ver esse ser tão “metido à sabido” comer com um pano cobrindo o rosto. Será que ele(a) iria curtir isso?

Aí, vem algumas pessoas, até mulheres, dizer que os homens ficam olhando e erotizam o momento. Cara, se um homem é tão desequilibrado a ponto de erotizar um momento tão sublime, quem precisa ser punido é ele, pois trata-se de um tarado em potencial.

Vivemos num mundo de hipocrisia. Ao mesmo tempo que um ato de amor de uma mãe amamentando seu filho ofende a tanta gente, o ato de mulheres com seios totalmente à mostra no carnaval é considerado uma expressão da cultura brasileira. Ninguém critica, só aplausos! Quanta hipocrisia…

Já temos leis em alguns estados no Brasil (São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Bahia, Rondônia, Espírito Santo, Minas Gerais e Paraná) que garantem nosso direito de amamentar nossos filhos sem que soframos constrangimento por isso. Então, para aqueles metidos à “defensores da moral e dos bons costumes da era da hipocrisia” , saibam que existe punição com multa para esse tipo de ação.

Eu prefiro me inspirar nas palavras de um homem sábio que no meio de um rito de batismo no último dia 07 de janeiro deu uma lição de amor e sabedoria, Papa Francisco:


“Se eles começarem a chorar, é porque estão com calor ou não estão confortáveis. Se tiverem fome, amamentem-os, sem medo, deem-lhes de comer, isso também é uma linguagem de amor”.

Talvez o mundo de hoje esteja tão analfabeto de sentimentos nobres que não entende essa linguagem.